Em busca de atender uma demanda latente do mercado, os Institutos Federais de São Paulo, Minas Gerais e Farroupilha estão abrindo as primeiras turmas do curso de qualificação para instalador de sistemas fotovoltaicos.

A geração de energia elétrica a partir do sol já é uma realidade no Brasil. A quantidade de instalações vem crescendo a cada dia, principalmente as unidades de geração distribuída, que são de pequena escala (até 5 MW) e são instaladas em residências e comércios. Segundo a ANEEL[1][2], hoje, existem 85 usinas de grande porte de geração fotovoltaica (FV), as quais  produzem juntas mais de 1GW. Na geração distribuída, são mais de 23.000 usinas, que somam mais de 200 MW. A estimativa da ANEEL[3] é que até 2024 sejam mais de 880 mil unidades de geração distribuída, sendo que mais de 90% serão instaladas em residências.

Além da quantidade, faz-se necessário que as instalações sejam de qualidade. Para isso, os profissionais que instalam essas usinas precisam ser devidamente capacitados. Pensando nisso, a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica lançou, em 2017, com apoio da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH, o Programa EnergIF, que visa, entre outros objetivos, criar novos cursos na área de energias renováveis e eficiência energética.

Grupos de trabalho formados por docentes da Rede nas áreas específicas de solar fotovoltaica, biogás, eficiência energética e energia eólica elaboraram currículos para direcionar a criação de novos cursos. Na área de FV, foram montados três currículos, sendo um de qualificação para instalador de sistemas FV, um de Pós-graduação e um de Pós-técnico. Após adquirirem a infraestrutura necessária, os campi Ribeirão das Neves (IFMG), Jaguari (IFFarroupilha) e Boituva (IFSP) inauguram, no dia 09 de março, as primeiras turmas do curso de instalador.

Essas devem ser apenas as primeiras de muitas novas turmas e cursos na área de energias renováveis. É um momento importante para a Rede Federal, que entra em uma nova e promissora área, apoiando o País a tornar sua matriz energética mais diversificada e moderna.

 

[1] http://www2.aneel.gov.br/aplicacoes/capacidadebrasil/OperacaoCapacidadeBrasil.cfm

[2] http://www2.aneel.gov.br/scg/gd/GD_Fonte.asp

[3] http://www.aneel.gov.br/documents/656827/15234696/Nota+T%C3%A9cnica_0056_PROJE%C3%87%C3%95ES+GD+2017/38cad9ae-71f6-8788-0429-d097409a0ba9